segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Secadores de mãos preservam o meio ambiente

A utilização de papel toalha, pode ser um problema enfrentado pelas empresas, o custo do papel é alto, gera resíduos, sujeira nos banheiros, e sua produção depende da derrubada de muitas árvores prejudicando assim o meio ambiente desde a produção até a destinação final dos resíduos.

Uma alternativa para substituir o papel toalha utilizado é a instalação de secadores de mãos nos lavatórios.

Veja as vantagens da instalação de um secador de mãos:

Economia de cerca de 95% em relação ao papel toalha, a energia gasta para operar o secador de mãos, é menos que 10% do custo de papel toalha. Incluindo a compra do papel, de sacos de lixo e mão de obra para reposição e coleta de resíduos.

O papel toalha é produzido a partir da polpa e da fibra de celulose da madeira branca, seu rendimento é muito baixo, por isso é necessário derrubar várias árvores para sua produção. A substituição de papel toalha por secador de mãos vai eliminar a geração de resíduos de papel contribuindo assim para uma redução de resíduos enviados para o meio ambiente.

A utilização do secador de mãos promove a higiene, deixando os lavatórios sempre limpos e livres de vandalismo.

No Brasil existem várias empresas que vendem secadores de mãos, solicite um orçamento e a planilha de cálculo custo beneficio.

Vale a pena experimentar além de preservar o meio ambiente, a redução dos custos são significativas.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Investigação de acidente do trabalho pela CIPA

Hoje falaremos sobre como fazer uma investigação de acidente do trabalho. Mas antes de iniciarmos este assunto vamos primeiro aprender alguns conceitos importantes.

Acidente
Evento indesejável que resulta em morte, doença, lesão, dano ou outras perdas.

Incidente
Evento que deu origem a um acidente ou que tinha potencial de levar a um acidente.
Nota: Um incidente em que NÃO ocorre doença, lesão, dano ou outra perda também é chamado de “quase acidente”. O termo “incidente” inclui “quase-acidente”

QUASE-ACIDENTE
Evento ou ocorrência inesperada, relacionada a um trabalhador ou equipamento, que por pouco deixou de ser um ACIDENTE.


É importante fazer uma investigação de acidente muito bem feita pois deles decorrem grandes perdas para as empresas, para os trabalhadores e suas famílias, para a Previdência Social, e para a sociedade, dificultando assim o desenvolvimento da riqueza nacional e a preservação da saúde dos seus trabalhadores.

Primeiramente deve-se criar um formulário para investigação do acidente contendo as seguintes informações:

Informações de identificação: Nome, função, idade, local do acidente, descrição da lesão, parecer do médico.

Informações sobre o atendimento: Primeiros socorros, hora do acidente, descrição do acidente, e testemunhas.

Histórico de segurança: O funcionário teve treinamento? Já se envolveu em um acidente antes? Outros funcionários se envolveram em acidente semelhante? Usava Euipamento de proteção individual? Ouve outros acidentes no mesmo local? Havia sinalização de segurança no local do acidente?

Análise do acidente: Atos inseguros, condições inseguras, fatores pessoas, fatores do trabalho, tipo de acidente.

Elabore um diagrama de causa e efeito, para levantar as causas do acidente. Cada causa levantada vai gerar uma ação a ser feita. Resolvendo as ações, as fontes geradoras de acidentes de trabalho dentro da empresa vão diminuindo e o número de acidentes vai cair dia após dia. Não esqueça de elaborar uma planilha com as estatísticas de acidentes.

Lembrando que a investigação de acidente deve ser feita pela CIPA, envolvendo o acidentado, as testemunhas, e a supervisão direta.

Espero ter esclarecido pelo menos um pouco como fazer uma investigação de acidentes.

Para maiores informações entre em contato aalvessantos46@gmail.com

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Pilhas e baterias

Um dos grandes problemas enfrentados pelas empresas tentar implantar um sistema de gestão ISO 14001 é a destinação de resíduos como pilhas e baterias.

Conforme determinação da Resolução CONAMA 257, publicada em 22 de julho de 1999. Ficam proibidas as seguintes formas de destinação:

Lançamento "in natura" a céu aberto, tanto em áreas urbanas como rurais;


Queima a céu aberto ou em recipientes, instalações ou equipamentos não adequados, conforme legislação vigente;


Lançamento em corpos d'água, praias, manguezais, terrenos baldios, peças ou cacimbas, cavidades subterrâneas, em redes de drenagem de águas pluviais, esgotos, eletricidade ou telefone, mesmo que abandonadas, ou em áreas sujeitas à inundação.


Monte dentro da empresa uma forma de coleta de pilhas e baterias utilizadas, e encaminhe para os fabricantes, a destinação final deste material é de responsabilidade deles.


Lembrando que: É importante sempre comprar pilhas e baterias originais, pois as piratas é impossível fazer tal destinação.


A destinação inadequada das pilhas e baterias fazem com que esses metais cheguem aos seres humanos através da cadeia alimentar.


Veja abaixo as conseqüências causadas por alguns metais pesados.


Cadmio


A emissão de Cd par o ambiente é mediante a incineração de plásticos e outros materiais que os utilizem como pigmento ou estabilizante e pelas pilhas e baterias que contém estes elementos. O cádmio é um dos metais mais tóxicos. A principal via de absorção é a inalação em meios industriais ricos em fumos e poeiras de cádmio. Uma simples exposição a elevadas concentrações de óxido de cádmio pode causar graves irritações pulmonares ou mesmo a morte.


Chumbo


O chumbo é um dos mais perigosos metais tóxicos pela quantidade e severidade dos seus efeitos. É classicamente uma toxina crónica, sendo observados poucos efeitos após uma exposição aguda a níveis relativamente baixos. Pode ter efeitos no sangue, medula óssea, sistema nervoso central e periférico e rins, resultando em anemia, encefalopatia, cólicas abdominais e insuficiência renal; é tóxico para a reprodução e desenvolvimento humanos.


Mercúrio


A medida que o mercúrio passa ao sangue, liga-se as proteínas do plasma e nos eritrócitos distribuindo-se pelos tecidos concentrando-se nos rins, fígado e sangue, medula óssea, parede intestinal, parte superior do aparelhos respiratório mucosa bucal, glândulas salivares, cérebro, ossos e pulmões. è um tóxico celular geral, provocando desintegração de tecidos.

A única maneira de controlar os efeitos destes metais pesados é destinando corretamente as pilhas e baterias, não poluindo assim o meio ambiente e a nossa cadeia alimentar.


terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Aspectos e Impactos Ambientais

Olá pessoal!

Hoje falaremos sobre aspectos e impactos ambientais. Para uma organização conseguir certificação na norma ISO 14001. Primeiramente ela deve fazer um levantamento de seus aspectos e impactos ambientais. Começaremos com algumas definições muito importantes para este trabalho.

Meio Ambiente – Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais, flora e fauna, seres humanos e suas inter-relações.

Aspectos Ambientais – Elemento das atividades ou produtos ou serviços de uma organização que pode interagir com o meio ambiente.

Impacto Ambiental – Qualquer modificação do meio ambiente, adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em parte, dos aspectos ambientais da organização.

Veja alguns exemplos de aspecto e impacto ambiental.

Geração de esgoto – aspecto ambiental
Poluição do solo e da água – impacto ambiental

Geração de resíduo de óleo lubrificante – aspecto ambiental
Poluição do solo e da água – impacto ambiental

Consumo de energia elétrica – aspecto ambiental
Construção de uma usina hidrelétrica – impacto ambiental

1º passo
A organização deve criar um formulário para fazer o levantamento de todos os aspectos ambientes que existem. Considerando entradas e saídas dos processos, situações normais e anormais, situações rotineiras e não rotineiras. Os aspectos ambientais levantados serão base para definição do plano de ação e para controle e mitigação de possíveis impactos ambientais.

2º passo
Crie agora uma planilha (plano de ação) para controle dos aspectos, nela deve conter:
Descrição do aspecto;
Característica do aspecto;
Análise do impacto;
Classificação se significante ou não significante;
Classificação se é ponto crítico ou ponto crítico de controle;
Procedimento de monitoramento e controle e mitigação e;
Plano de emergência.

Lembre-se que para conseguir uma Certificação ISO 14001, devemos controlar muito bem o cumprimento dos requisitos legais, o não cumprimento de um requisito legal implica em não obter a certificação.

Para maiores informações entre em contato aalvessantos46@gmail.com

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Consciência Ambiental - Lixo

Toda atividade que as pessoas fazem no dia a dia gera lixo. No Brasil a quantidade de lixo gerada por uma pessoa é de cerca de 700g, número este que pode chegar a 1kg nos grandes centros. Faça a conta desse valor desse valor multiplicado por 180 milhões de habitantes que existe no Brasil. Isso mesmo é realmente assustador.

Mas cada um pode fazer sua parte com pequenos gestos que somados se transformam e um número significante.

Um gesto muito simples e educado é não jogar o lixo pela janela do carro, melhor colocar em uma sacola dentro do veículo e encaminhar para coleta de lixo ao chegar em casa.

Outro gesto bastante simples, porém muito importante é o descarte de óleo de cozinha. Pare de descartar este óleo no esgoto, coloque em uma garrafa pet e encaminhe para coleta de lixo. O impacto do óleo na terra é bem menor do que na água. Alguns municípios já dispõe de um sistema de coleta de óleo para produção de biodiesel.

Mais uma dica bem simples, quando for fazer um passeio com a família na beira de um rio por exemplo. Leve sacos de lixo e recolha os resíduos gerados, nunca deixe o lixo poluindo as margens do rio.

Vamos todos fazer nossa parte para preservar o meio ambiente para que nossos filhos tenham um meio ambiente digno de se viver.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Diamante de Hommel

Pessoal hoje vamos falar um pouco sobre o Diamante de Hommel.

O Diamante de Hommel não informa qual é a substância química, mas representa todos os riscos envolvendo um produto químico:


Veja abaixo os riscos representados:







INFLAMABILIDADE – VERMELHO

4 – PERIGO: Gás inflamável ou líquido extremamente inflamável
3 – CUIDADO: Líquido inflamável. Ponto de fulgor abaixo de 38ºC
2 – CUIDADO: Líquido combustível. Ponto de fulgor de 38ºC à 94ºC.
1 – COMBUSTÍVEL: Se aquecido
0 – Não é combustível

RISCO À SAÚDE – AZUL

4 – PERIGO: Pode ser fatal em curta exposição
3 – CUIDADO: Corrosivo ou tóxico. Evite contato com a pele ou inalação.
2 – CUIDADO: pode ser nocivo se inalado ou absorvido
1 – CUIDADO: Pode causar irritação
0 – Não oferece perigo

RISCO DE INSTABILIDADE – AMARELO

4 – PERIGO: Material explosivo à temperatura ambiente
3 – PERIGO: Pode ser explosivo se sofrer impacto ou for aquecido sob confinamento, ou misturado com água.
2 – CUIDADO: Instável ou pode reagir se misturado com água.
1 – CUIDADO: Pode reagir se aquecido ou misturado com água.
0 – Estável. Não reage quando misturado com água.

RISCO ESPECÍFICO – BRANCO

ACID – Ácido
ALK – Álcali
COR – Corrosivo
OXI – Oxidante
NOC – Nocivo
TOX – Tóxico

A utilização do Diamante de Hommel juntamente com um treinamento para todos os funcionários da empresa pode ajudar a reduzir o número de acidentes envolvendo os funcionários e produtos químicos.
Entretanto deve ser utilizadas outras formas de sinalização tais como: placas de PERIGO; de CORROSIVO; de INFLAMÁVEL etc.

Veja abaixo um exemplo do DIAMANTE de HOMMEL para o ácido sulfúrico.



Para maiores informações entre em contato aalvessantos46@gmail.com

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Resíduos de óleos lubrificantes

O que fazer com os resíduos de óleos lubrificantes?

Um dos grandes problemas que as empresas enfrentam atualmente para implantação de um sistema de gestão ambiental é a geração de resíduos de óleos lubrificantes.
Estes resíduos são:

Óleos;
Graxas;
Estopas contaminadas com óleo e graxas;
Serragem utilizada para contenção;
Panos contaminados com óleos e graxas;

A Portaria MINFRA nº 727, de 31 de julho de 1990 diz que:

A empresa deve – Destinar óleos lubrificantes minerais usados ou contaminados para o rerrefino ou, excepcionalmente, para utilização ambientalmente adequada, autorizada formalmente pelo órgão ambiental competente.

No Brasil existe várias empresas que faz este tipo de tratamento de resíduos. Entre no site da Agência Nacional do Petróleo – ANP - e verifique a lista e empresa autorizadas.

O primeiro passo para implantar um sistema de gerenciamento de resíduos é criar o procedimento que deve ser seguido. Definindo a forma de:

reaproveitamento
reciclagem
co-processamento
incineração
inertização
disposição final (aterro controlado, etc).

Após criado o procedimento deve se escolher a empresa que vai receber o resíduo de óleo lubrificante, verificando a licença ambiental, e registro da empresa e dos veículos utilizados para coleta junto ao órgão ambiental competente.

Solicitar a emissão do CADRI – Certificado de Aprovação para Destinação de Resíduos Industriais – junto ao órgão ambiental competente.

O atendimento deste requisito legal é um importante passo para implantar um Sistema de Gestão Ambiental ISO 9001.





segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Lâmpadas Fluorescentes

Atualmente no Brasil são consumidas cerca de 100 milhões de lâmpadas fluorescentes por ano. Deste total 94% são descartadas em aterros sanitários e sem nenhum tipo de tratamento, contaminando o solo e a água.

Existem lâmpadas fluorescentes com vapores de sódio, de mercúrio e mista. O mercúrio por sua vez apesar se ser um elemento natural encontrado na natureza, pode ser muito nocivo aos seres vivos, e quando penetra na cadeia alimentar é muito prejudicial à saúde humana.

A ABNT NBR 10004 define a periculosidade de diversos elementos e substâncias químicas e estabelece limites admissíveis para seus contaminantes serem dispostos no meio ambiente.

Um requisito necessário a se cumprir para conseguir a certificação ISSO 14001 é o gerenciamento dos resíduos sólidos. Para se implantar um sistema de gerenciamento de lâmpadas fluorescentes dentro de uma empresa primeiramente devemos conscientizar os trabalhadores de não jogar estas lâmpadas em lixo comum.

As lâmpadas queimadas devem ser guardadas (se possível na própria embalagem para facilitar o transporte) para acumular um volume significativo para serem enviadas para descontaminação.

No Brasil existem várias empresas que faz este trabalho de descontaminação de lâmpadas fluorescentes, implante este sistema em sua empresa que o Meio Ambiente agradece.

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Implantação de coleta seletiva

A implantação de coleta seletiva de lixo se baseia em três etapas a serem cumpridas: destinação do lixo, conscientização do pessoal e instalação de lixeiras.

1ª Etapa

Defina a forma que o lixo vai ser destinado, procure empresas recicladoras, cooperativas de catadores de lixo, processadores de resíduos, e formalize uma forma de encaminhar este lixo para reciclagem.

2ª Etapa

Após estar definido a forma de destinação deve ser feito a grande conscientização dos funcionários, invista em treinamentos, banners, gincanas e concursos que demonstre as vantagens da reciclagem, do uso correto dos recursos naturais e a não poluição do meio ambiente.

Como forma de incentivo pode ser negociado com a direção da empresa em converter a verba arrecadada com a venda do material reciclável para investir em material de segurança do trabalho (EPI, EPC etc) e em manutenção de lixeiras, compra de sacos de lixo coloridos para facilitar a separação do lixo. Esta verba deve ser administrada pela CIPA.

3ª Etapa



Nesta etapa deve ser a fase de implantação das lixeiras para coleta seletiva. Defina pontos estratégicos dentro da empresa e instale os coletores de lixo para papel, plástico, vidro, metal, orgânico, pilhas e baterias.


Separe o lixo reciclável do lixo não reciclável, é aconselhável que seja definido uma área dentro da empresa para armazenar o lixo reciclável a fim de economizar no transporte do lixo.


terça-feira, 30 de outubro de 2007

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA

NR-05


Objetivo

Prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador.

As empresas privadas, públicas, sociedade de economia mista, órgãos de administração direta e indireta, instituições beneficentes , associações recreativas, cooperativas, bem como outras instituições que admitam trabalhadores como empregados devem constituir CIPA e mantê-la em regular funcionamento.

A empresa que possuir em um mesmo município dois ou mais estabelecimentos, deverá garantir a integração das CIPA.

A CIPA deve ser composta de representantes do empregador e dos empregados. Os representantes dos empregadores serão designados por eles. Os representantes dos empregados serão eleitos através de processo eleitoral, exclusivamente aos empregados interessados.
O dimensionamento do número de membros titulares e suplentes da CIPA esta previsto no Quadro I da NR 5.
Quando a empresa não se enquadrar no Quadro I, ela deverá designar um responsável pelo cumprimento dos objetivos da NR 5.

O empregador designará entre seus representantes o Presidente da CIPA e os representantes dos empregados escolherão entre os titulares o Vice Presidente.

Os membros da CIPA serão empossados no primeiro dia útil após o termino do mandato anterior.

O secretário da CIPA e seu substituto serão indicados pelos membros da CIPA podendo estes ser componentes da CIPA ou não, neste caso será necessário à concordância do empregador.

Empossados os membros da CIPA, a empresa deverá protocolizar, em até dez dias, na unidade descentralizada do Ministério do Trabalho e Emprego, cópias das atas de eleição e de posse e o calendário anual das reuniões ordinárias.

As atribuições da CIPA

Identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior número de trabalhadores com assessoria do SESMT, onde houver;
Elaborar plano de trabalho que possibilite a ação preventiva na solução de problemas de segurança e saúde no trabalho;
Participar da implementação e do controle da qualidade das medidas de prevenção necessárias, bem como da avaliação das prioridades de ação nos locais de trabalho;
Verificar periodicamente, verificações nos ambientes e condições de trabalho visando a identificação de riscos;
Avaliar o cumprimento das metas fixadas em seu plano de trabalho;
Divulgar aos trabalhadores informações relativas à segurança e saúde no trabalho;
Participar com o SESMT das reuniões promovidas pelo empregador, para avaliar os impactos de alterações no ambiente e processo de trabalho relacionado à segurança e saúde dos trabalhadores;
Requerer ao SESMT, quando houver, ou ao empregador, a paralisação de máquinas ou setor onde considere haver risco grave e iminente à segurança e saúde dos trabalhadores;
Colaborar no desenvolvimento e implementação do PCMSO e PPRA;
Divulgar e promover o cumprimento das Normas Regulamentadoras;


Cabe ao empregador:

Proporcionar aos membros da CIPA os meios necessários ao desempenho de suas atribuições, garantindo tempo suficiente para realização das tarefas constantes no plano de trabalho.

Cabe aos empregados:

Participar da eleição de seus representantes;
Colaborar com a gestão da CIPA;
Indicar a CIPA, aos SESMT e ao empregador situações de riscos e apresentar sugestões para melhoria nas condições de trabalho

Cabe ao Presidente da CIPA:

Convocar os membros para as reuniões da CIPA;
Coordenar as reuniões da CIPA, encaminhando ao empregador e ao SESMT, as decisões da comissão;
Manter o empregador informado sobre os trabalhos da CIPA;
Coordenar e supervisionar as atividades de secretária;
Delegar atribuições ao Vice Presidente

Cabe ao Vice Presidente

Executar as atribuições que lhe forem delegadas;
Substituir o Presidente em seus impedimentos e eventuais afastamentos;

Cabe ao Presidente e Vice Presidente juntos:

Cuidar para que a CIPA disponha de condições de condições necessárias para desenvolvimento de seu trabalho;
Coordenar e supervisionar as atividades da CIPA;
Delegar atribuições aos membros da CIPA;
Promover o relacionamento da CIPA com o SESMT;
Divulgar as decisões da CIPA a todos os trabalhadores;
Encaminhar os pedidos de reconsiderações das decisões da CIPA;
Constituir a comissão eleitoral.

Cabe ao secretário da CIPA:

Acompanhar as reuniões da CIPA, e redigir as atas apresentando-as para aprovação e assinatura dos membros presentes;
preparar as correspondências; e
Outras que lhe forem conferidas.

Funcionamento da CIPA

A CIPA terá reuniões ordinárias mensais, de acordo com o calendário preestabelecido. As reuniões ordinárias da CIPA devem ser realizadas durante o expediente normal de trabalho e em local apropriado.
As atas de reuniões devem ser assinadas pelos presentes, e encaminhada uma cópia para cada membro.
Uma cópia da ata deve ficar no estabelecimento à disposição dos Agentes da Inspeção do trabalho.

Reuniões extraordinárias deverão ser realizadas quando:

Houver denúncia de situação de risco grave e iminente que determine aplicação de medidas corretivas de emergência, ocorrer acidente do trabalho grave ou fatal, houver solicitação expressa de uma das representações.

As decisões da CIPA serão preferencialmente por consenso, não havendo consenso deve ser instalado um processo de votação.

O membro titular perderá o mandato, (sendo substituído por suplente obedecendo a ordem de colocação decrescente registrada na ata de eleição) quando faltar a mais de quatro reuniões ordinárias sem justificativa.

Treinamento:

A empresa deve promover o treinamento da CIPA para os membros titulares e suplentes antes da posse.

O treinamento da CIPA deve contemplar no mínimo os seguintes intens:

Estudo do ambiente, das condições de trabalho, bem como dos riscos originados do processo produtivo;
Metodologia de investigação e análise de acidentes e doenças do trabalho;
Noções sobre acidentes e doenças do trabalho decorrentes de exposição aos riscos existentes na empresa;
Noções sobre a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida – AIDS e medidas de prevenção;
Noções sobre as legislações trabalhistas e previdenciárias relativas à segurança e saúde no trabalho;
Medidas gerais de higiene do trabalho e de medidas de controle dos riscos;
organização da CIPA e outros aspectos necessários ao exercício das atribuições da comissão;
O treinamento terá carga horária de vinte horas, distribuídas em no máximo oito horas diárias e será realizado durante expediente normal de trabalho e deve ser ministrado pelo SESMT ou por profissional que possua conhecimento sobre os temas.

Processo eleitoral

Compete ao empregador convocar eleições para escolha dos representantes dos empregados na CIPA no prazo mínimo de sessenta dias antes do término do mandato em curso.

O Presidente e o Vice-Presidente da CIPA constituição dentre seus membros, no prazo mínimo de cinqüenta e cinco dias antes do término do mandato em curso, a Comissão Eleitoral – CE, que será a responsável pela organização e acompanhamento do processo eleitoral.

Publicação e divulgação de edital, em locais de fácil acesso e visualização, no prazo mínimo de 45 dias antes do término do mandato em curso;
Inscrição e eleição individual, sendo que o período mínimo para inscrição será de quinze dias;
Liberdade de inscrição para todos os empregados;
Garantia de emprego para todos os inscritos até a eleição;
Realização da eleição no prazo mínimo de 30 dias antes do término do mandato em curso;
Realização da eleição em dia normal de trabalho;
Voto secreto;
Apuração dos votos, em horário normal de trabalho, com acompanhamento de representante do empregador e dos empregados, em número a ser definido pela comissão eleitoral


Para saber mais sobre CIPA consulte a NR -5
Para solicitar outros materiais e sugerir temas para serem postados no site contate aalvessantos46@gmail.com

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Redução de Acidentes do trabalho com o Programa Quase Acidente

Pessoal vamos conhecer um pouco sobre Programa Quase Acidentes, para que serve e porque devemos implantar este programa.


O Programa Quase Acidente é um programa que visa eliminar a causa dos acidentes antes que eles aconteção. É muito importante eliminar estas causas pois assim estaremos reduzindo o número de acidentes dentro da empresa e preservando a vida de nossos colaboradores.

Veja agora as etapas que devem ser seguidas para implantar o programa na empresa.

Prepare material didático para treinar os colaboradores quanto ao funcionamento do programa. O bom é criar uma apresentação em power point, e apostilas para distribuir para o pessoal.

Quase Acidente

Fato não desejado que poderia causar perda humana ou material. Os quase acidentes são alertas de que o acidente está para ocorrer.

Acidente

Evento indesejável que resulta em morte, doença, lesão, dano ou outras perdas.

Incidente

Evento que deu origem a um acidente ou que tinha potencial de levar a um acidente.
Nota: Um incidente em que NÃO ocorre doença, lesão, dano ou outra perda também é chamado de “quase acidente”. O termo “incidente” inclui “quase-acidente”

Veja abaixo a probabilidade de prevenção:




Elabore um formulário para relato de Quase acidente onde contenha no mínimo as seguintes informações:

Setor da empresa onde ocorreu o quase acidente;
Descrição do Quase Acidente e;
Sugestão de melhoria.

Instale em pontos estratégicos da empresa urnas para coleta dos Quase acidentes.

Periodicamente (pelo menos uma vez por semana) deve-se fazer o recolhimento dos relatos encaminhar para os responsáveis para execução das ações de melhoria. É imprescindível que o SESMT faça o acompanhamento (da execução das ações e divulgue as ações realizadas e as ações que ficaram pendentes).

Espero que tenha ajudado um pouco à respeito de como implantar um programa de Quase Acidentes.

Para maiores esclarecimento e para sugerir temas favor entrar em contato aalvesantos46@gmail.com

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Equipamento de Proteção Individual - EPI

Hoje vamos falar sobre Equipamento de Proteção individual,para que serve e as responsabilidades de cada um para cumprir a legislação vigente. O conteúdo deste poste foi retirado da Norma Regulamentadora 06. Espero que o conteúdo deste post ajudem vocês.

Abraços

O que é EPI?

EPI é todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.

Os EPI’s de fabricação nacional ou importado, só poderão ser comercializados ou utilizados com a indicação do Certificado de Aprovação – CA, expedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Responsabilidades do empregador

A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas circunstâncias a seguir:

Sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho, ou de doenças do trabalho;
Enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas;
Para atender a situações de emergência.

Cabe ao empregador quanto ao EPI:

Adquirir o adequado ao risco de cada atividade;
Exigir seu uso;
Fornecer ao trabalhador somente o aprovado pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho;
Orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação;
Substituir imediatamente, quando danificado ou extraviado;
Responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica; e
Comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada.

Cabe ao empregado quanto ao EPI:

Usar, utilizando-o apenas para finalidade que se destina;
Responsabilizar pela guarda e conservação;
Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso; e
Cumprir as determinações do empregador sobre o uso adequado.

Exemplos de Equipamento de Proteção individual



Capacete,
Botina de segurança,
Óculos de segurança,
Luvas,
Cinto de segurança,
Macacão de PVC são alguns exemplos de EPI

Não se esqueçam de conscientizar os trabalhadores sobre a importância da utilização correta dos EPI's.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Mapa de Risco

Hoje vamos falar de Mapa de Risco. O que é, para que serve, como elaborar, e veremos um modelo de mapa de risco. Espero que as informações contidas ajude a implantar o Mapa de Risco em sua empresa. As informações contidas aqui foram retiradas na Norma Regulamentadora 09.

O que é Mapa de risco?

É uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,(sobre a planta baixa da empresa, podendo ser completo ou setorial) capazes de acarretar prejuízos à saúde dos trabalhadores.
Tais fatores se originam nos diversos elementos do processo de trabalho (materiais, equipamentos, instalações, suprimentos, e nos espaços de trabalho, onde ocorrem as transformações) e da forma de organização do trabalho (arranjo físico, ritmo de trabalho, método de trabalho, turnos de trabalho, postura de trabalho, treinamento etc.)

Para que serve?

Serve para a conscientização e informação dos trabalhadores através da fácil visualização dos riscos existentes na empresa.
Reunir todas as informações necessárias para estabelecer o diagnóstico da situação de segurança e saúde no trabalho na empresa.
Possibilitar, durante a sua elaboração, a troca e divulgação de informações entre os trabalhadores, bem como estimular sua participação nas atividades de prevenção de acidentes.


Como são elaborados os Mapas de Risco?

Conhecer o processo de trabalho no local analisado:

Os trabalhadores: número, sexo, idade, treinamentos profissionais e de segurança e saúde, jornada;
Os instrumentos e materiais de trabalho;
As atividades exercidas;
O ambiente.

Identificar os riscos existentes no local analisado, conforme a classificação específica dos riscos ambientais.

Identificar as medidas preventivas existentes e sua eficácia:

Medidas de proteção coletiva;
Medidas de organização do trabalho;
Medidas de proteção individual;
Medidas de higiene e conforto: banheiro, lavatórios, vestiários, armários, bebedouro, refeitório, área de lazer.

Identificar os indicadores de saúde:

Queixas mais freqüentes e comuns entre os trabalhadores expostos
aos mesmos riscos,
Acidentes de trabalho ocorridos,
Doenças profissionais diagnosticadas,
Causas mais freqüentes de ausência ao trabalho.

Conhecer os levantamentos ambientais já realizados no local.

Elaborar o Mapa de Riscos, sobre o layout da empresa, indicando através de círculos:


O grupo a que pertence o risco, de acordo com a cor padronizada.
O número de trabalhadores expostos ao risco, o qual deve ser anotado dentro do círculo.
A especificação do agente (por exemplo: químico - sílica, hexano, ácido clorídrico; ou ergonômico-repetitividade, ritmo excessivo) que deve ser anotada também dentro do círculo.
A intensidade do risco, de acordo com a percepção dos trabalhadores, que deve ser representada por tamanhos proporcionalmente diferentes de círculos.
Quando em um mesmo local houver incidência de mais de um risco de igual gravidade, utiliza-se o mesmo círculo, dividindo-o em partes, tpintando-as com a cor correspondente ao risco.

Após discutido e aprovado pela CIPA, o Mapa de Riscos, completo ou setorial, deverá ser afixado em cada local analisado, de forma claramente visível e de fácil acesso para os trabalhadores.

Classificação dos principais riscos ocupacionais em grupos, de acordo com a sua natureza e a padronização das cores correspondentes.





Intensidade do risco de acordo com o tamanho do círculo







Modelo de Mapa de Risco


Seja um editor do Ambientalsan

O Ambientalsan convida a todos os interessados em participar do blog a ser um editor.
Para participar envie um e-mail para aalvessantos46@gmail.com solicitando ser editor.

Abraço a todos